SER VOLUNTÁRIO É UM DESAFIO POSSÍVEL.

Para ser voluntário é preciso querer assumir uma responsabilidade, participar num projeto e ter como missão contribuir para melhoria da qualidade de vida e dignidade humana desta comunidade.

 

 

O VOLUNTÁRIO É:

- “Uma pessoa que, motivada pelos valores de participação e solidariedade, doa o seu tempo, trabalho e talento, de maneira espontânea e não remunerada, a causas de interesse social e comunitário”.

- "Uma pessoa humana, realizada humanamente, preparada tecnicamente, em reciclagem constante, ao serviço de outras pessoas com dificuldades e problemas, num trabalho organizado em equipe, com tarefas definidas e ao serviço do bem comum."

 

PENSE NISTO ANTES DE SE DECIDIR:

- Qual a razão porque quero ser voluntário/a?
- Ser voluntário/a é diferente de ter gestos solidários com os outros?
- O que espero dar e receber sendo voluntário/a?
- De quanto tempo disponho?
- Qual o nível de responsabilidade que estou disposto/a a assumir?

- Ser voluntário é uma maneira de exercer a cidadania, participando de forma ativa e organizada na sociedade.

- É ser um cidadão ativo e comprometido, num projeto organizado, de índole social ou cultural, com o objetivo de promover a justiça e a solidariedade entre as pessoas; como qualquer tarefa responsável tem horários, periodicidade, metas que podem e devem ser acompanhadas para bem da organização e do próprio voluntário.
 


O voluntário, além de ser uma pessoa de boa vontade, é alguém que:

- Não está só, uma vez que desenvolve a sua atividade em colaboração com uma entidade organizadora;

- Participa gratuitamente, não auferindo de qualquer remuneração;

- Deve ser responsável, conseguindo assumir uma tarefa num determinado horário e por um período de tempo acordado;

- É um elemento complementar numa equipa: as organizações devem ter recursos humanos remunerados para realizar os fins a que se propõem, e o Voluntário não deve substituir postos de trabalho. O voluntário é sempre um elemento de complementariedade.

- Deve ser uma presença de unidade na equipa, facilitador das relações e dos projetos.

Ajudar uma pessoa de família, ou ter uma acção solidária individual não é exatamente ser voluntário/a, embora represente uma boa vontade, um movimento solidário, falta-lhe o enquadramento de uma organização, o que não permite atribuir-lhe essa denominação.

 

PASSOS IMPORTANTES

- Uma vez selecionada a instituição ofereça-se para trabalhar, informe-se do que têm para oferecer: considere outras hipóteses além da que tinha inicialmente;
- Procure perceber qual o projeto global da instituição e o enquadramento da sua colaboração nele.

Combinar a prestação

- Verifique se as suas motivações, características e competências são adequadas às tarefas que lhe são propostas; as tarefas devem ser bem descritas e o tempo da prestação bem definido;

- Saiba com algum detalhe aquilo que é esperado de si, qual o seu poder de decisão;

- Informe-se do tempo de formação ou treino exigido pela instituição;

- Assegure-se que irá ser orientado e integrado por alguém;

- Pergunte quem será o seu coordenador ou supervisor.

 

Atenção

Seja realista no tempo que oferece, mais vale começar por pouco tempo e aumentar do que o contrário.

Faça férias, é importante para si e para a instituição.

 

DIREITOS DO VOLUNTÁRIO

- Escolher um trabalho que realmente lhe agrade.
- Ser-lhe dada uma tarefa específica e bem definida.
- Conhecer o melhor possível a instituição onde presta voluntariado.
- Receber treino para a execução da tarefa.
- Receber formação contínua relacionada com a tarefa.
- Fazer avaliações regulares do seu desempenho.
- Conhecer os objetivos do projeto em que está inserido.
- Ser ouvido.
- Ser reconhecido o seu trabalho.

 

DEVERES DO VOLUNTÁRIO PARA COM A POPULAÇÃO ALVO

- Entrega.
- Generosidade.
- Ajuda gratuita.
- Reconhecer e respeitar a dignidade dos beneficiados.
- Potenciar o desenvolvimento integral como pessoa.


DEVERES DO VOLUNTÁRIO PARA COM A INSTITUIÇÃO

- Conhecer e assumir o ideal da organização.
- Ser sincero e verdadeiro na oferta do trabalho e acreditar no valor do trabalho que vai ser realizado.
- Ser responsável no cumprimento dos compromissos assumidos.
- Manter a dignidade e integridade da instituição que representa. Cumprir as regras que lhe são propostas.
- Procurar informação e orientações assim que surjam dúvidas.
- Respeitar a organização sem a utilizar para fins próprios.
- Saber ouvir e respeitar voluntários e profissionais com quem trabalha.
- Ter bom senso em situações imprevistas.
- Realizar o seu trabalho com precisão.
- Frequentar a formação dada pela organização.
- Aceitar as indicações dos coordenadores.
- Ter vontade de aprender.
- Entender e respeitar as funções do pessoal remunerado.
- Não tomar decisões relativas à sua tarefa sem o conhecimento do seu orientador.

 

DEVERES PARA COM OS OUTROS VOLUNTÁRIOS

- Respeitar a sua dignidade e liberdade.
- Fomentar o trabalho em equipe.
- Facilitar a integração, formação e participação dos outros.
- Promover os laços de amizade.
- Ser verdadeiro e sincero.

Quando terminar o período de compromisso o que fazer?

- Dependendo da relação que tem com a instituição, pode renova-lo automaticamente. Se deseja mudar, faça-o, não deixando de dar as suas sugestões positivas à instituição onde trabalhou.

(elaborado com base no Guia do Voluntariado do Campo Grande)